segunda-feira, 31 de maio de 2010

segunda-feira, 24 de maio de 2010

Um Lugar de Sonho na Margem Sul






Este magnífico local, no topo da encosta junto ao Monte de Caparica, é um dos vários locais de onde se avista Lisboa com todo o seu explendor. Costumo dizer que o melhor local de Lisboa fica na outra margem porque não há em Lisboa nenhum local onde se veja Lisboa e o Tejo como nesta margem. Toda esta zona poderia oferecer grandes receitas turísticas se fosse correctamente explorada ao invés de silos, gruas e mamarrachos industriais de futuro duvidoso.

terça-feira, 18 de maio de 2010

A Foz do Sado

Setúbal é também uma linda cidade. A proximidade de Tróia e Arrábida, as praias de Albarquel, Figueirinha, Galapos, Coelhos e Alportuche, são diamantes desta região que só tem como defeito a poluição feita pela cimenteira e incineradora de resíduos tóxicos. Ainda por cima a cimenteira/incineradora fica junto ao Sanatório de Outão - que rica saúde... Actos tão nefastos perante uma riqueza natural tão preciosa só são admitidos neste nosso amado país.

segunda-feira, 17 de maio de 2010

Quase a Chover

Às vezes apetece-me respirar um vento forte
Neste local tão rico de lendas e histórias passadas
Desejo muito atrasar todas as horas da morte
Por saber que ainda há histórias não contadas.

Sinto que o sol aquece a alma e amolece o espírito
E o vento forte desafia toda a nossa energia
O rio fica agitado e mais intensifica o seu hálito
Queria respirar este bom oxigénio todo o dia.

Casas e janelas viradas de costas para o rio
Fazem crescer a fome de querer ver beleza
O cimento e o alcatrão crescem sem brio
E toda uma população se contenta com tristeza.


quinta-feira, 13 de maio de 2010

Gratos ao Tejo

O Tejo, apesar de já não ter garoupas gigantes, ainda é base de sustento para muitas famílias.
Até 1960 eram frequentes, na zona do Mar da Palha, as garoupas e os neros com mais de 200 kgs.

quarta-feira, 12 de maio de 2010

As Cores de Lisboa e do Tejo

Quando vejo estas cores matinais de Lisboa, dá vontade de estar lá, de sentir a luz, o cheiro, os sons da cidade. São pormenores que nos dão energia para um novo dia.
A pausa oferecida pelo tempo de atravessar o rio arruma-nos as ideias - o que iremos fazer, ou não, nesse dia.

Muitas vezes penso como seria no tempo em que Fernando Pessoa passeava pela baixa pombalina ou, mesmo, no tempo de Eça de Queiróz sentado no Martinho da Arcada.

Há muitos anos que desviaram a atracagem dos cacilheiros para o Cais do Sodré e isso tirou todo o encanto que as ligações fluviais ofereciam. Os cacilheiros davam cor, vida e beleza à bela Praça do Comércio, onde nunca vi comércio, a não ser vendedores de castanhas, de jornais e revistas.

Foram muitos anos de tradição, de muitos milhares de trabalhadores a encher quotidianamente o Terreiro do Paço, desprezados por outros interesses e isso foi um gesto muito feio. Perdeu-se o encanto e a tradição e, para cúmulo, a estação do Cais do Sodré é triste, fria e muito cinzenta. Enfim, muda-se sempre para pior. E estas mudanças, sempre para pior, é que já são, infelizmente, tradição no nosso Portugal...



O Mar da Nazaré

No mar da Nazaré são raras as vezes em que podemos meter o pé...

quinta-feira, 6 de maio de 2010

Aveiro - Fotografia e Pintura - Noite e Dia


Este quadro, pintado a acrílico, de grandes dimensões, foi feito muito antes da fotografia. Quando fotografei o mesmo local reparei que não houve alterações ou irrealidades muito grandes e a pintura oferece muito mais liberdade que a fotografia. Na pintura podemos ultrapassar horizontes e barreiras que de outro modo são inatingíveis.

quarta-feira, 5 de maio de 2010

Madeira - Ilha de Sonho

Esta imagem nunca mais sairá das minha memória. Este é um dos locais mais belos da Madeira e sempre que penso em férias, em mar, lembro-me deste fantástico local - piscinas naturais da Doca do Cavacas - e até parece que o cheiro a marezia e a iodo volta aos pulmões.